About

Luísa Sequeira in “Memória, substantivo feminino”

I’m filmmaker and a film curator, who work on multiple platforms, such as, film, video and photography, who explore the intersections of cinema, design and emerging media. I studied journalism and specialized in directing documentaries at Porto University, currently I’m doing a PhD in Media Art, development a research in memory, archive, archeology and cinema.
In the last year of the course I studied in katholieke Universiteit of Nijmegen, in the Netherlands. I went to Maputo to make a end-of-course thesis on television in Mozambique.  For ten years I worked at RTP ( portuguese tv ) on RTP, I was the author and coordinated of Fotograma, a weekly documentary magazine exclusively dedicated to cinema in a documentary format.
Since 2010, I’m the artistic director of Shortcutz Porto and organize Super 9 Mobile Film Fest, an online festival exclusively dedicated
to mobile cinema.  In Cinema, I made several short and experimental films that have been screened at various international film
festivals, exhibition and symposium. In 2017 it was premiered the documentary film “Who’s Barbara Virginia?”, a film about the first
Portuguese filmmaker, youngest female director at the time and one of the first female directors at Cannes film festival in 1946 ( first
edition). Currently I’m working with the artist Sama on the documentary “Nada a Temer”, a film about the current political and social
situation in Brazil, and I am producing with Luísa Marinho and Ana Luísa Amaral a documentary on “The New Letters Portuguese”,
considering the first international feminist cause. I made  several exhibitions and installations, na  Oitavo  gallery, Sputnik, Mira Forum and Mostra Spain. She recently held an individual photography exhibit at the gallery Adorna Corações, and a  collective with several artists, including photographer Michael Akerman and Bruno Boudjelal.


Luísa Sequeira é realizadora e faz curadoria de cinema, trabalha em diferentes plataformas, como,  vídeo, filme e fotografia explorando as intersecções do cinema e dos media emergentes. Estudou jornalismo e tem uma especialização em realização de documentários,  neste momento está a fazer um doutoramento em Arte dos Media. Luísa começou o seu percurso profissional na TVM em Moçambique e trabalhou mais de uma década na RTP, coordenando e apresentando vários projectos. Entre eles, destacam-se o “ Cumplicidades” e  o “Fotograma”, um magazine semanal dedicado ao cinema em língua portuguesa. Desde 2010, é diretora do festival de curtas-metragens “Shortcutz Porto” e organiza o “Super 9 Mobile Film Fest”, o primeiro festival português dedicado a filmes realizados com mobile, que já conta com a 5ª edição.

Recentemente, estreou a sua primeira longa-metragem  documental, “Quem é Bárbara Virgínia?”, filme que foi exibido em vários festivais de cinema, entre eles, o festival Internacional de Roterdão, Mostra de São Paulo e o Doclisboa,  foi o vencedor na categoria de documentário na última edição do Festival Caminhos do Cinema Português.

Realizou e produziu várias curtas, entre elas;” Os Cravos e a Rocha”, ” La Luna”,  “Memória, substantivo feminino” e ” My Choice”.

Coordenou e realizou o “Porto sem Nó”,  vencedor do Festival Internacional de Televisão do Rio de Janeiro. Co-realizou com o artista Sama, uma série de animação de 13 episódios para o canal Brasil.

Neste momento está a realizar com o artista Sama o documentário”Nada a Temer”,  um filme sobre a actual situação política e social do Brasil e está a produzir com a Luísa Marinho e com a  Ana Luísa Amaral um documentário sobre “As Novas Cartas Portuguesas”

Realizou várias exposições e instalações ,  na galeria oitavo, Sputnik, Mira Forum e Mostra Espanha.  Recentemente realizou uma exposição de fotografia individual na galeria adorna corações e uma coletiva com vários artistas,  entre eles o fotógrafo Michael Akerman e Bruno Boudjelal.