Filmes no Museu do Aljube, Resistência e Liberdade

Exibição do Work in progress do documentário: “O que podem as palavras?”, de Luísa Sequeira e Luísa Marinho e do filme ” Quem é Bárbara Virgínia”, Inserido na Programação paralela à Exposição Temporária • Mulheres e Resistência – Novas Cartas Portuguesas e outras lutas.

Work in progress do documentário: “O que podem as palavras?”, de Luísa Sequeira e Luísa Marinho.
Com Ana Luísa Amaral, Maria Teresa Horta, Maria Velho da Costa e Maria Isabel Barreno

O que podem as palavras? de Luísa Sequeira e Luísa Marinho ( Ilustração de Sama)

Sinopse: O que podem as palavras?
Através das vozes das autoras das “Novas Cartas Portuguesas”, e num tom intimista, este documentário resgata a importância histórica deste livro no âmbito das mudanças sociais emergentes. Queremos lançar um olhar fresco sobre questões como as “utopias sociais”, a relação entre tradição e contemporaneidade e a pertinência da procura de uma voz própria feminina nas sociedades patriarcais. Num tempo em que algumas democracias apresentam fragilidades e voltamos a presenciar cenas de censura à arte e tentativas de controle de discursos, este documentário, através do resgate de um importante episódio da história portuguesa e internacional, quer também reforçar a importância da preservação da liberdade de expressão.

Quem é Bárbara Virgínia? de Luísa Sequeira

“Quem é Bárbara Virgínia?”

Sinopse: “Quem é Bárbara Virgínia?” é um road movie documental, um resgate de memórias, uma procura em busca da cineasta Bárbara Virgínia. Um trabalho de arqueologia emocional que traz à tona a vida e a obra da primeira cineasta portuguesa a fazer uma longa-metragem, a única a realizar um filme na época da ditadura e uma das primeiras mulheres a estar em competição na primeira edição do festival de cinema de Cannes. Porque é que o seu nome ficou esquecido?
Estas e outras questões são abordadas ao longo deste documentário, realizado entre Portugal e Brasil, este filme intimista e poético acompanha Luísa Sequeira na busca de Bárbara Virgínia.

Deixe uma resposta