FITEI apresenta na NUNO CENTENO, “A LUZ DA ESTRELA MORTA” de LUÍSA SEQUEIRA. Curadoria: Sama

A LUZ DA ESTRELA MORTA, DE LUÍSA SEQUEIRA ATÉ DIA 25 DE MAIO NA GALERIA NUNO CENTENO

Depois de estrear em salas de festivais de cinema em Lisboa, São Paulo, Rio de janeiro, Roterdão, Estocolmo e outras cidades, a longa metragem, “Quem é Bárbara Virgínia?”, filme sobre a 1ª realizadora portuguesa, que quase fora apagada da história da cinematografia mundial, Luísa Sequeira continua instigada pelo mistério das mulheres eclipsadas da história…

Em “A Luz da Estrela Morta”, Luísa apresenta uma continuidade da sua investigação cinematográfica, que consiste numa instalação que conta com um filme, “Becomingeness”, o vídeo ensaio “ Discursos Transgressivos”,  que faz um paralelo entre os filmes, “Aldeia dos Rapazes” de Bárbara Virgínia e “Zéro de Conduite” de Jean Vigo, uma série de quadros em pequenos e médios formatos, que mesmo produzidos em técnica mista, detectamos uma predominância do procedimento da colagem, técnica familiar para a artista, que trabalha neste método como uma extensão natural do processo de montagem em filmes. Além de objectos escultóricos dispostos tridimensionalmente na área de projeção dos vídeos.

A LUZ DA ESTRELA MORTA, DE LUÍSA SEQUEIRA ATÉ DIA 25 DE MAIO NA GALERIA NUNO CENTENO

Todo o corpo de trabalho apresentado nesta instalação tem ares de provocação… O olhar é o tema, tanto as variações de composição nas colagens, onde vemos os olhos de Bárbara Virgínia hipnoticamente sequenciados, quanto no nosso próprio olhar enquanto espectadores e testemunhas das revelações expostas por Luísa. Como se diz, “os olhos são o espelho da alma”, nos vemos todos reflectidos nos olhos de Bárbara que agora são apropriações de Luísa.

A série apresenta variações sutis de composição, que são o suficiente para estabelecer leituras de poéticas distintas. A série do “olhar”, sempre com o fundo a negro, como uma máscara de tela cinematográfica, remete-nos aos efeitos visuais analógicos, tão caros aos realizadores surrealistas.

Ainda numa referência surreal, temos a espectadora obliterada, um escultórico de formas femininas, saída de um sonho,(ou pesadelo), a cumprir o mero papel de espectadora, sem possibilidade de ação ou opinião, imobilizada e isolada do mundo ao seu redor por estar envolta em sacos de plástico, a mesma matéria que agride o nosso planeta, estaria esta personagem condenada a uma eterna passividade? Mais uma provocação poética de Luísa.

A maior peça da instalação é uma composição de telas iluminadas dispostas no chão formando uma cruz. Longe de ser um epitáfio para Bárbara Virgínia, testemunhamos aqui outras referências a história do cinema. A ironia da peça consiste no peso da cruz que estas e outras muitas mulheres carregaram, e ainda carregam para serem reconhecidas numa história escrita em grande parte pelos os homens. A provocação da cruz de Luísa apresenta também outros enigmas que vão além das questões de género, há também nestas telas, fragmentos de jornais e revistas, muito de uma memória historicamente recente, como um “frame” do 1º filme produzido, “O Cavalo de Muybridge” além de uma imagem da própria artista, que se coloca como mais um elo desta narrativa universal.

Quanto mais virtuais nos tornamos mais necessidade de materialidade temos. A LUZ DA ESTRELA MORTA é muito mais do que uma variação de suporte para a exploração de um mesmo tema. Há neste projecto de Luísa Sequeira, uma ambição de corporalidade que nos envolve a todos.

Sama

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *